Resenha: A Culpa é das Estrelas - Filme


A última resenha criada aqui no blog foi sobre o livro que faz uns meses que eu já terminei de ler. Assim que eu soube que o livro com um história tão emocionante que John Green deu o nome de A Culpa é das Estrelas se tornaria filme eu fiquei tão ansiosa para o lançamento, contei os dias e horas e a todo momento eu lembrava as pessoas que convivem comigo a data da estréia, eu queria ter assistido na estréia mas não deu, só fui conseguir assistir um mês depois da estréia mas como diz aquele ditado " antes tarde do que nunca" e afirmo com todas as letras que valeu apena! 

Fui ao cinema sozinha, meu namorado está viajando e aqui em Teresópolis não encontrei companhia acho que eu era a única pessoa no cinema que estava sozinha mas não me importei nem um pouco com esse fato. O filme atendeu á todas as minhas expectativas, foi perfeito em cada detalhe e por isso parabenizo toda a produção que deve ter tido um trabalho tremendo para que o filme saísse tão perfeito. 

Não entrarei em detalhes sobre o filme porque acredito que muitas pessoas ainda não leram o livro e nem assistiu ao filme, se você quiser saber um pouco mais sobre o livro basta ler esse post aqui que fala um pouco mais sobre a história contada no livro, nos próximos parágrafos irei descrever minhas sensações e sentimentos ao longo do filme. 

Primeiro uma nostalgia tomou conta de mim por finalmente estar assistindo A Culpa é das Estrelas, ansiosa para acabar logo os créditos e começar o filme. Gente do início ao fim o filme prende a sua atenção de uma maneira inexplicável o jeito brincalhão do August me arrancou boas gargalhadas, me faz pensar - mas que menino bobo cara, mas é aquele bobo no bom sentido. 

Ver um filme depois de ter lido o livro no qual ele foi baseado se parar para analisar nem sempre é bom, pelo menos é o que eu acho. Porque quando já se sabe a história e o filme vai passando antes mesmo de se chegar ao fim você já sabe o final e isso é uma m*r#d@. Percebi isso quando o August e a Hazel estão em uma momento super feliz e perfeito pros dois e eu sei que o final não será bem assim. 

E o John Green ein ? Aprendi a amar e admirá-lo como um grande escritor que ele se mostrou ser. Numa jogada de mestre ele deixa seus leitores como a Hazel fica com o seu livro favorito: Uma Aflição Imperial do Peter Van Houten que também é um personagem da história. O John simplesmente nos deixa na curiosidade de saber o que aconteceu com a Hazel, será que ela morre ? A mãe dela conseguiu virar assistente social? O câncer da Hazel é curado ? O Isaac continua mantendo contato com a Hazel? Entre outros questionamentos.

No fim da sessão eu sai com a frase da capa do livro na cabeça- "Você vai rir, vai chorar e ainda vai querer mais." Markus Zusak foi exatamente isso que aconteceu enquanto eu lia o livro e assistia o filme.  super recomendo o livro e o filme, e pra dar um gostinho de quero ver para vocês abaixo eu vou deixar o trailer oficial do filme. 



"Alguns infinitos são maiores que outros (...)" 





Nenhum comentário:

Postar um comentário